6 de julho de 2008

Palavras a uma estranha

"A distância entre eu e você se mede apenas pelas palavras que não foram ditas...todo o resto, cada gesto, cada traço, tudo aproxima o homem ao outro; é isso que nos torna tão intensos. Gosto do que você escreve, mas ao mesmo tempo me dói e não consigo ler tudo. Tenho certeza de que você as vezes ao ler algo já sentiu como se aquilo não fosse do autor, mas fosse seu, uma parte íntima escondida que finalmente teve algum rasgo de vida. Ao mesmo tempo que gosto das palavras, tento evitá-las pra não me transtornar ainda mais. Por isso não tenho um jeito só: sou rude, direta, adoro palavrões, adoro bebados e loucos, por nunca saberem eles da mesma história ou ouvi-la nas suas mais diversas versões."

À Maria...
uma bossa desconhecida.