5 de novembro de 2008

Quando tudo finda

Passar por coisas de vida e o que te resta é a última dança da noite.
Chego já cansada...De passar por coisas que te fingem, te afligem.
Tanta vida em tempo pouco.
Vale mesmo a pena saber que somos finitos.
Mas fácil é conseguir compreender a dor dos outros,
e assim não sentir as dores das voltas que passam.
Mistura de dor e alegria grandes assim deveriam ser infinitas em nós. Apenas.
Fim da noite e o tomo o último gole de álcool. Quente. Quieta. Morta. Demasiada calma.