Páginas

17 de junho de 2008

Poesia primeira

Seja conclusivo na forma, no medo, na adversidade,
no jogo, na vida, no dia, na rua, no olhar, na noite,
nas férias, no passo, no tempo, no gesto.

Não busque o passado,
a poesia não deve ser saudosista,
ela interpreta os presentes sentimentos de um poeta

A poesia tem um tempo só:
e ele é rápido, certeiro, esmagador, asfixiante,
[tóxico]

A poesia nos leva para um outro lado,
que é só nosso.
Um universo limitado na sintaxe,
mas infinito em si mesmo.

Sem pausa, dúvida ou receio.
Deixe que as palavras se fixem em algo,
e algo começará a surgir.

A poesia é resultado da própria poesia.
É uma paixão explicável e,
ao mesmo tempo incrivelmente duvidosa.

A vida é breve,
e a poesia está nos intervalos.

6 comentários:

Daniel disse...

sensacional xuxu
todos 3
obrigado pela parte q me toca
mas nunca mais lhe pago uma cerveja
suaushuiahsuiahisha
e a poesia ta muito bacana
gostei deveras

esquece de escrever sempre n
q eu sempre vou ler
hahahah

bjo bjo
=***

bossa_velha disse...

adoro essa relação que cada um tem com a palavra. tu não poderia ser diferente: é encantador.

Dali Menezes disse...

Linda, linda, linda!

bossa_velha disse...

e eu acho ótimo que você escreva para você - assim eu me sinto menos distante.

Sr.Werneck disse...

Muuuuito foda nina
adooorei

Emily N. disse...

e o poeta que vive com saudade?
e quem vive de saudades?